O apetite também é uma bênção


Li uma pequena história escrita por Shundo Aoyama Roshi que me trouxe uma bonita reflexão e assim, também uma bela gratidão.

Duas monjas levavam de carro um importante mestre. A monja T que estava no banco do passageiro, tecia entusiasmados comentários olhando a paisagem:

"Ah, as maçãs estão começando a ficar vermelhas! Os tomates parecem muito gostosos!"

O mestre a ouvia com um sorriso no rosto, e disse:

"Você tem razão... por mais que a natureza nos abençoe com alimentos, se não tivermos apetite, não servirá para nada."

"Fiquei surpresa ( a monja que dirigia ) e meu coração se abriu para uma nova percepção. Eu, que sou gulosa, pensava que, tendo alimentos, poderíamos apreciá-los a toda hora. Acreditava que o apetite era uma coisa natural, com a qual podíamos contar sempre. No entanto descobri que até mesmo o apetite é uma bênção. Ainda que muitos alimentos saudáveis fossem colocados ao lado da cama de um doente terminal, e mesmo que este soubesse que se alimentar lhe faria bem, sem apetite, não poderia comer nem mesmo um grão de arroz."

Eu sempre vejo gratidão pelo alimento. Eu mesma sempre o faço, mas havia me esquecido de apreciar e agradecer o apetite!



Comentários

  1. Ana, adorei a história que realmente faz pensar. É a mais pura verdade! Tantas coisas que só tem sentido se bem estamos ou se AINDA temos vontade, apetite delas... Isso é tão profundo, dá muito pano pra manga! Valeu! Que bom que conseguiste arrumar o blog. Ele apareceu hoje ,mais cedo, na minha lista feedly. Quando entrei estava cheio de pontos de exclamação. Apenas isso! Saí de fininho,rs... Agora voltei pra casa e vejo. beijos, lindo fds! chica

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários são trocas, partilhas que agregam, acrescentam e nutrem um blog. Compartilhe o seu pensar, o seu sentir!

Postagens mais visitadas