Contos do bem-viver

Eu compro livros infantis.
Não, não são para os meus filhos. Compro livros infantis para mim.
Meus filhos, entre pré e adolescentes, já não querem mais livros infantis, por ora.
E dia desses, acordei com uma imensa vontade de um livro infantil. Acomodei a vontade num cestinho bem quentinho e alguns dias depois, o livro da minha vontade se mostrou!
Era uma sugestão que estava na revista Vida Simples de abril/2016.


Eu já havia dito neste blog que quero ler livros que me cheguem com um significado e não apenas estejam numa pilha, numa lista de mais vendidos ou que "todo o mundo está lendo".
Então, quando li a matéria na revista, imediatamente lembrei-me de uma entrevista que eu havia assistido com o autor do livro - Lauro Henrique Jr.
Jornalista, tempos atrás ele saiu pelo Brasil e pelo mundo em busca de conversar com grandes líderes espirituais, o que resultou em dois livros, o Palavras de poder,  volume brasil e Palavras de poder, volume mundo.
Coloquei os títulos na minha listinha e eles nunca saíram de lá. Dessas coisas que a gente nem sabe bem o porquê...
Essa vontade que eu já tinha de ler esse escritor com o almejo de um livro infantil, fez chegar alguns dias depois a obra em minhas mãos.



Contos do bem-viver. Ah! Eu me encantei com a delicadeza deste livro!
As ilustrações de Ionit Zilberman são igualmente encantadoras.




O construtor de pontes é a história de um carpinteiro que é contratado para construir uma cerca, mas ele só sabe juntar, e não separar.
Um dos contos do bem-viver que me encantou foi "As oferendas do mestre".
Nele, um grande mestre conhecido por sua sabedoria, viajava de cidade em cidade para transmitir os seus conhecimentos, até que entrou em uma cidade onde havia um homem rude e violento que passou a lançar todos os tipos de ofensas e calúnias sobre o mestre.
Este, manteve-se sereno e quando o homem terminou o festival de xingamentos, fez-lhe uma pergunta:
[...] -  Se por acaso você oferecesse uma fruta a alguém e essa pessoa recusasse, com que ficaria a fruta?"
Furioso o sujeito respondeu:
 - Ora, mas que pergunta idiota! Com quem haveria de ficar? É claro que ficaria comigo!
E o mestre, serenamente, completou:
 - Muito bem, meu amigo, pois saiba que eu não aceitei nenhuma de suas ofensas. Com quem você acha que elas vão ficar?"


E agora eu vou contar um segredo meu de bem-viver.
Vem aqui bem pertinho para eu sussurrar"
"Mesmo que você seja um adulto, nunca deixe de comer algodão doce colorido, sentir frio na barriga, balançar e ler livros infantis para você mesmo!"






Comentários

  1. Mas que coisa tão legal,Ana Paula! Não conheço o autor, nem o livro mas já dá pra ver que é uma boa pedida!Adoro livros infantis. E mesmo velha, não deixo de gostar de algodão doce ,nem de nada que me lembre ser criança.

    Muito legal te ler, como sempre! Vou procurar ver de perto esse livro.

    bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Também compro livros infantis para mim
    Nunca ouvi falar desse e gostei coleguinha

    ResponderExcluir
  3. Que legal ter este pensamento e assim captar belas mensagens.
    O livro parece muito interessante pelas suas palavras e encantamentos.
    Valeu amiga.
    Eu ainda adoro assistir desenhos e leio contos infantis pela blogosfera
    e assim arrisco a escrever alguns contos muitas vezes em Blogagens coletivas.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Amo livro infantil Ana! Quando criança não tive muitos livros,mas na juventude sempre lia e até hoje também tenho esse hábito. Pra este ano fiz um projeto pessoal de ler contos de fadas e outras histórias.Quanta mensagem tem por um livro escrito para os pequenos. O que mais me cativa é que temos que ler com o olhar de criança, de coração aberto. Paz e Bem! Nice

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários são trocas, partilhas que agregam, acrescentam e nutrem um blog. Compartilhe o seu pensar, o seu sentir!

Postagens mais visitadas